Resumo de Livros - Vestibular 2009

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Resumo do livro: Dias e Dias de Ana MIranda

Conheça mais sobre a Autora

Ana Miranda nasceu em 1951 em Fortaleza, Ceará. Parte de sua infância e juventude passou em Brasília (1959/1969) morando no Rio de Janeiro desde então. Sua vida literária teve início em 1978 com a publicação de um livro de poesias. Seu primeiro romance, "Boca do Inferno", foi publicado em 1989, obra que já foi traduzida nos Estados Unidos, Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Espanha, Suécia e Holanda, entre outros países. Recebeu o Prêmio Jabuti de Revelação em 1990. Escreve roteiros cinematográficos, ensaios e resenhas críticas para jornais e revistas, além de realizar palestras em universidades e outras instituições.

Bibliografia:

* Anjos e demônios, José Olympio/INL, 1978
* Celebrações do outro, Antares, 1983
* Boca do inferno, Cia das Letras, 1989
* O retrato do rei, Cia. das Letras, 1991
* Sem pecado, Cia. das Letras, 1993
* A última quimera, Cia. das Letras, 1995
* Desmundo, Cia. das Letras, 1996
* Amrik, Cia. das Letras, 1997
* Que seja em segredo, Dantes, 1998
* Clarice, Cia. das Letras, 1999
* Noturnos, Cia. das Letras, 1999
* Caderno de sonhos, Dantes, 2000
* 21 Histórias de amor, Francisco Alves, 2002 (em conjunto com outros escritores).
* Dias e dias, Cia. das Letras, 2002 (Prêmio Jabuti - 2003)
* Deus-Dará - Crônicas publicadas na Caros Amigos, Casa Amarela, 2003
* Boa companhia: Contos, Cia. das Letras, 2003 (em conjunto com outros escritores)
* Flor do cerrado, Cia. das Letrinhas, 2004
* Prece a uma aldeia perdida, Record, 2004

Obras traduzidas no exterior:

* Hellemond. Holanda, Amber, 1990.
* Helvetesgapet. Suécia, Wahlström & Widstrand, 1990.
* Helvedeskaeften. Dinamarca, Samleren, 1990.
* Helvetesmunn. Noruega, Gyldendal Norsk Forlag, 1990.
* Boca del infierno. Argentina, Sudamericana, 1990.
* Boca do inferno. Portugal, Dom Quixote, 1990.
* Boca del infierno. Espanha, Anagrama, 1991.
* Bocca d'inferno. Itália, Rizzoli, 1991.
* Bay of All Saints and every conceivable sin. EUA, Viking, 1991.
* Bay of All Saints & every conceivable sin. Inglaterra, Harvill, 1992.
* Höllenmaul. Alemanha, Kiepenheuer & Witsch, 1992.
* Bouche d'enfer. França, Julliard, 1992.
* Texto publicado na revista “Caros amigos”, Editora Casa Amarela – São Paulo – SP, exemplar de agosto de 1997.

Fonte:

http://www.releituras.com/anamiranda_menu.asp

RESUMO DO LIVRO


O romance Dias e dias, de Ana Miranda, publicado em 2002, é inspirado na poesia "Dias após dias" de Rubem Fonseca, e constrói a vida do poeta romântico Gonçalves Dias, revelando detalhes pessoais.Desde o seu começo, apresenta a voz da narradora Feliciana, hoje, uma mulher, que desde menina fora apaixonada por Gonçalves Dias. No romance, Feliciana toma conhecimento da vida íntima de Gonçalves Dias por meio das cartas enviadas pelo poeta a seu grande amigo Alexandre Teófilo de Carvalho Leal. Mostradas a Feliciana por Maria Luíza, esposa de Teófilo, as cartas registram muitas das questões existenciais do poeta. Feliciana descreve de forma emocionante a paixão que as cartas alimentam, e seu relato revela refinamentos da alma feminina.Estas cartas, freqüentemente citadas no romance, criam uma ilusão de realidade, fazem o leitor esquecer-se da ficcionalidade de Feliciana e de outros personagens que têm existência apenas no romance, colocando-os no mesmo plano de existência de Alexandre Teófilo e Gonçalves Dias.O romance retrata o século XIX e ainda traz como destaque a revolta da Balaiada, ocorrida em Caxias, além de abordar curiosidades e dados biográficos que traçam o perfil de Gonçalves Dias. A obra combina história e ficção para contar uma história sobre o amor, os costumes provincianos no interior do Brasil durante esta época, a descoberta da cultura indígena, a beleza da poesia e os mistérios da sensibilidade.A história reúne três personagens centrais: Feliciana, o poeta Gonçalves Dias e o sabi, não um sabiá específico, mas a espécie inteira, que na Canção do exílio simboliza a pátria distante.Feliciana parece ser a própria incorporação do espírito romântico oitocentista, é uma memória ambulante que transforma Gonçalves Dias num ser etéreo, intocável e, ao mesmo tempo, tão presente. Feliciana é o sabiá, com toda a sua brasilidade, preso na gaiola com saudades do poeta romântico nacionalista. Por outro lado, o romance parece representar justamente a soltura do sabiá, quando apresenta o nacionalismo romântico como parâmetro para uma proposta nacionalista atual.A trama tecida pela autora faz com que o leitor se identifique com a personagem, que desvenda o que sente por meio da escrita e da memória. Os personagens menores, o pai de Feliciana, colecionador de sabiás; Adelino, um tímido professor apaixonado por Feliciana, e Natalícia, a doce e severa preceptora, conferem ao livro uma grande riqueza humana.Antonio Gonçalves Dias (1823-1864) é o principal nome da poesia romântica brasileira. Além de Canção do exílio, compôs os principais poemas da vertente indigenista do romantismo, entre eles I-Juca-Pirama e Leito de folhas verdes. Na obra, os fatos são apresentados em flashbacks e há o caráter cíclico da diegese, a narrativa inicia-se em 03 de novembro de 1864 e ao final do livro nos deparamos com a mesma data, o que sinaliza para os anacronismos, ou seja, as constantes idas e vindas no tempo da narração.Sob o ponto de vista desta narradora em primeira pessoa do singular é recordada e relatada não apenas sua vida, como também a vida do objeto de seu amor, Dias.Ana Miranda, de maneira muito inteligente, insere em seu texto, além de poemas, muitas informações verídicas sobre o autor. Esta marca de intertextualidade faz da trama um “mosaico de citações” por muitas vezes parodizadas. Isto, porque a autora utilizando os versos de Gonçalves Dias lhes dá um sentido distinto, o que faz com que, no mínimo, sua leitura deva ser dupla.Por meio dos poemas inseridos na narrativa de Dias e dias e da presença de correspondências que são trocadas dentro da diegese, as quais a autora teve acesso por meio de trabalhos rigorosos de pesquisa e consulta à arquivos, é composta uma espécie de fotografia de nosso país e as informações contidas no romance contribuem para a formação não só das características do poeta representativo de nosso país, como também de peculiaridades que dizem respeito à nossa pátria amada.Dias e dias, ratifica-se como uma bela e prazerosa obra de cunho histórico, mas, se o leitor não for atento, nem perceberá o tema maior, devido ao caráter de liricidade romanesca, a história envolvente de um amor platônico. Isto faz com que a obra não seja apenas um romance histórico, mas uma magnífica biografia romanceada, feita nos moldes da ficção. Um romance envolvente que é organizado quase que, como um diário, a partir de sucessivos processos de rememoração de Feliciana.Ainda que toda a narrativa gire em torno de observações e declarações de Feliciana, isto é apenas um pretexto para que se fale do personagem maior, o poeta Gonçalves Dias. Como estratagema, Ana Miranda utiliza-se de um personagem fictício (Feliciana) para falar de um acontecido histórico. Porém, estes personagens históricos não protagonizam a diegese, servindo apenas como parte do cenário ou “pano de fundo”. Quem protagoniza a narrativa são os homens comuns e, por ser mulher, a narradora Feliciana representa mais do que apenas uma pessoa comum. O fato de as ações serem protagonizadas por seres ficcionais faz com que a ficção fique muito à frente de um mero enfoque histórico.A proposta da diegese de Dias e dias diz respeito à leitura que o romance fornece da história, ou seja, abordar o momento brasileiro em que há a representação da mulher e do homem do século XIX que, via de regra, o recurso histórico não registrava, Ana Miranda aborda, então, esses elementos que as enciclopédias históricas não abarcam. O olhar de Feliciana é dirigido para o cotidiano, isto é, para a história da condição feminina.O romance de Ana Miranda está entre aqueles romances da atualidade que apresentam um olhar para dentro do Brasil, focalizando sua arte, sua história, sua cultura, numa busca insistente, neste momento, por uma forma de conhecer ou de reconhecer uma identidade brasílica que se reconstrói por meio da história (literária, no caso de Dias e Dias) e que traz consigo um movimento e um sentimento de nação. O sabiá, neste sentido, surge no romance como símbolo desta brasilidade presente tanto nos poemas de Gonçalves Dias quanto nos romances da atualidade, ainda que de modo bastante diverso.Este é um romance que se diferencia de Boca do Inferno (1989) por este retorno nacionalista, pelo maior destaque dado ao discurso biográfico e pelo amadurecimento criativo. As notas da autora, ao final do romance, são menos referências bibliográficas do que indicações que auxiliariam o leitor no reconhecimento do caráter documental de seu texto. Por outro lado, estas indicações mostram um caminho para a reescrita ou, pelo menos, para a reconstrução do romance pelo leitor e, para que ele não considere o texto uma colagem irresponsável dos textos de Gonçalves Dias, a autora avisa que “poesias e cartas de Gonçalves Dias foram incorporadas à expressão da narradora.


Fonte:

http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos

1 Comentários:

  • Às 12 de outubro de 2011 22:55 , Anonymous Anônimo disse...

    O LIVRO E INTERECANTE MAS E TAMBEM UM POUCO COMFUSO... MAS MESMO ASSIM EU GOSTEI ,QUEM ME DEU ESSE LIVRO PARA LER FOI MINHA FROFE DE PORTUGUES E PARA DEPOIS FAZER RELATORIO SOBRE O LIVRO EU ESTUDO NO OITAVO ANO.

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Início